Roquefort com Sauternes

 

O queijo Roquefort é originário da região do Midi- Pyrénés, no sul da França. É um queijo cremoso de massa branca com veios azuis ou esverdeado, pois ele é inoculado com o fungo Penicillium roqueforti.

Diz a lenda que um pastor esqueceu seu lanche, uma coalhada de leite de ovelhas, em uma caverna de Cambalou. Ao voltar, tempos depois, achou o lanche e descobriu que ela havia virado o que hoje conhecemos como queijo Roquefort!

Existem relatos deste queijo desde o século XI, e desde o início dos 1900s ele pode ser produzido somente na região demarcada, ao redor da cidade de Roquefort-sur-Soulzon.

A harmonização clássica para queijos azuis é com vinhos doces, fortificados (como o Porto, Banyuls ou Muscat de Beaumes-de-Venise) ou não (Monbazillac ou Barsac). Para esta harmonização iremos com o clássico: Sauternes.

Sauternes é um vinho doce produzido na região de Bordeaux. É feito principalmente a partir das uvas Semillon, Sauvignon Blanc e Muscadelle. As uvas são atacadas por um fungo, a Botrytis cinerea, que, sob as condições ambientais corretas, ao invés de apodrecer as uvas, proporciona um processo de desidratação na uva, concentrando os açúcares e proporcionando aromas e sabores incríveis.

O queijo Roquefort é rico em sabores umami, o que torna as bebidas mais amargas e tânicas. O ideal, então, é combiná-lo com um vinho mais adocicado e que não tenha taninos. O Sauternes, de sabores tão intensos, combina com os sabores fortes do Roquefort, equilibrando o sal com o açúcar e valorizando o sabor do Roquefort. Excelente para ser servido ao final das refeições, como fazem os franceses!

 

Já conferiu outras dicas de harmonização? Confira aqui e envie sugestões pra gente!

Sobre Ana Borges

Ana BorgesMineira de BH, Analu Borges trabalha com alimentação há mais de 20 anos em restaurantes de vários lugares do Brasil e do mundo, e atua hoje como consultora e professora. Formada em Gastronomia, descobriu que sua real paixão eram as bebidas e suas harmonizações, então se especializou com mestrado em Enologia na Espanha e curso de Sommelier de Cervejas pela Academia da Cerveja de MG.

Compartilhe esse post

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *