Sabor e tradição na rota do Queijo Minas

Da Redação Notícias 0 Comments

O sucesso do produto produzido em Minas Gerais foi reconhecido pelo Instituto Estadual do Patrimônio Histórico, em 2008, como “Patrimônio Cultural Imaterial Brasileiro”.

Entre os tradicionais e deliciosos produtos gastronômicos produzidos em Minas Gerais, o queijo Minas é um dos destaques e referências no mercado em todo o mundo. O produto que preserva antigas tradições e se profissionalizou, recebeu em 2008 o reconhecimento de Patrimônio Cultural Imaterial Brasileiro.

No estado algumas regiões são pioneiras na fabricação do queijo, entre elas estão, Serra da Canastra, Serro, Serra do Salitre, Campos das Vertentes e Araxá.

O modo artesanal durante a fabricação preserva além do sabor único, a identidade cultural e social das regiões.  Mostram também que, mesmo com todos os avanços tecnológicos a originalidade foi mantida.

 

Mas afinal, o que diferencia o queijo artesanal?

A diferença da produção do queijo Minas Artesanal é a produção a partir da mão de obra familiar, produção em baixa escala e a utilização do leite cru (não pasteurizado).

Para reconhecer as regiões produtoras desse tipo de queijo, o Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA)  faz uma pesquisa das características locais, como a economia, a história, o clima local, para aprovação de um laudo que torna as regiões e o produtor aptos para a fabricação do queijo minas artesanal.

Que tal conhecer um pouco mais sobre cada região e as características de seus produtos? Confira:

 

Serra da Canastra

A região que leva em seu produto o seu nome, é uma das mais conhecidas. Mais de 200 anos de tradição, o queijo produzido aqui tem sabor marcante e picante. Sua casca é amarelada, e, quanto mais maturado mais encorpado, características que se devem ao clima da região, que combina dias quentes e noites frias.

 

Serro

O queijo produzido aqui têm suas origens durante a época da colonização portuguesa. Os imigrantes trouxeram a receita do famoso queijo da Serra da Estrela e começaram a produção no Serro. Entre as características do produto, o sabor levemente ácido, cor amarelo claro, massa macia, cremosa e de casca fina. Geralmente os queijos aqui produzidos, são menos maturados, devido ao clima quente da região.

 

Serra do Salitre

A região também é conhecida como Cerrado tem um clima ameno e ideal para produção do queijo artesanal. Apresenta características únicas. Normalmente o produto é envolvido por uma resina amarela comestível, para protegê-lo na maturação. É um pouco mais picante e salgado. Quanto maior o tempo de maturação, mais evidente a acidez e um sabor intenso.

 

Campos das Vertentes

A região entra no Roteiro dos Queijos Finos no Caminho Velho da Estrada Real. Também conhecido como Queijo da Mantiqueira, preserva a antiga tradição de que mesmo depois de curado pode ser mantido por um período maior de tempo antes do consumo.  Ligeiramente ácido, levemente salgado, olhaduras secas e uma casca dourada.

 

Araxá

A região de Araxá também apresenta características bem específicas que diferenciam o resultado final do queijo minas. Entre elas, o gado da região, normalmente é alimentado com cana de açúcar, resultando em um queijo mais ácido, salgado e de sabor intenso. Entre as características físicas estão a casca fina e amarelada.

 

Ficou interessado? Confira na aba Rota do Queijo, onde encontrar o produto de cada região!

Compartilhe esse post

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *