Queijos Modernos – um novo mundo

Heloisa Collins Consumidor, Destaque, Notícias Leave a Comment

Estamos vivendo uma grande década queijeira no Brasil, resultado de muitos movimentos importantes.

Um deles e a aproximação entre as pessoas e a comida mais saudável, de origem conhecida e método de preparação artesanal. Outro, intimamente associado ao primeiro, é o de comunicação em rede sobre o que se come, onde se come e de onde vem o que consumimos, mais recentemente, quem faz o que se come. Todos temos um profundo interesse em tudo o que tem a ver com a nossa alimentação e nossas vivências gastronômicas!

 

E adoramos ter detalhes exclusivos sobre o que trouxemos para casa ontem à noite para consumir durante o fim de semana.

Esses dois movimentos, o da busca do conhecimento sobre o mundo da comida e o da aproximação com o saudável e o artesanal, vêm dando um grande impulso ao queijo artesanal. Também nessa esfera, tudo se quer saber, viver e experimentar. Todos querem saber quanto queijo se consome, que queijos há para consumir, quem faz queijo, onde se faz queijo, como se faz queijo e com o que se faz bons queijos. E quando muito se quer saber sobre uma coisa, ela acaba virando objeto de interesse e atenção. É o primeiro passo para virar ação.

Há apenas dez ou quinze anos, o queijo artesanal morava e era vendido nas fazendas. Só saía de lá para um passeio na cidade na sacola de um presente “da roça”.  Os balcões de queijos daquela época ofereciam queijos industrializados nacionais e queijos industrializados importados. As atividades ligadas ao queijo se limitavam às mais óbvias e primarias: fazer queijo na fábrica, comprar queijo da fábrica na loja e comer queijo da fábrica, comprado na loja em casa, reservando os mais caros para momentos mais especiais e os mais comuns para o lanche de todo dia. É claro que no interior, onde as pessoas estão mais próximas a quem faz queijo artesanal, as atividades eram um pouco diferentes.  O queijo fresco de todo dia podia vir direto do produtor e em dia de festa não tinha queijo, tinha carne.

Queijo artesanal em destaque

Hoje temos uma coleção imensa de atividades ligadas ao queijo artesanal. Comprar um bom queijo pode levar horas e horas, pois você poderá provar muitos, antes de se decidir por um. Se você procurar uma boa loja de queijos e outros produtos artesanais, certamente ouvirá histórias interessantes sobre os queijos à venda e sobre os queijeiros que os produzem. Para os amantes das viagens, das comidas e das histórias, tem muito lugar, muita gente e muito queijo interessante pra visitar, conhecer e provar.

Recentemente, em São Paulo, um grupo de queijeiros se uniu para reunir em uma só proposta uma variedade incrível de queijos, de queijarias, de gente queijeira e inovadora que está começando a fazer história. Trata-se do Caminho do Queijo Artesanal Paulista, que quer ajudar todo comedor de queijos a conhecer os sabores, texturas  e cores  de novos queijos artesanais brasileiros.

Esses queijeiros são a encarnação viva da maior tradição alimentar do mundo, afinal o homem começou a fazer queijo há uns dez mil anos. Mas eles são também muito modernos, pois foram buscar maneiras novas de trabalhar o leite, os fermentos, os fungos e os temperos para oferecer queijos muito inovadores e deliciosos. Juntos, trabalham com os quatro tipos de leite de ruminantes mais disponíveis no Brasil – vaca, cabra, búfala e ovelha – e oferecem queijos de todo tipo: duros, macios, cremosos, curados, frescos, mofados, lavados, grandes, pequenos, brancos, amarelos, furados e cheios de olhaduras ou densos, de massa fechada.  Estão espalhados pelo estado e oferecem aos visitantes um bom passeio, além de um bom queijo.

Quando visitar um queijeiro artesanal paulista, você estará se engajando em ações muito modernas em torno desse alimento tão antigo: viajar para conhecer novos queijos, degustar novos queijos regados com uma boa prosa, ouvir dicas de incríveis harmonizações de queijos com acompanhamentos, com temperos, frutas, ervas, castanhas, vinhos, cachaças e cervejas (artesanais, é claro!).

Comer queijo nunca foi tão bom, tão divertido e tão informativo. Coma muito queijo artesanal. Visite as queijarias do Caminho do Queijo Artesanal Paulista. E seja feliz!

Sobre Heloisa Collins

Heloisa CollinsÁvida pesquisadora e uma expert em queijos de cabra, a mestre-queijeira Heloisa Collins desenvolve receitas com acentos de várias nacionalidades e traz aos brasileiros diferentes expressões da cultura de comer queijo de cabra pelo mundo. Desde que decidiu dedicar-se à criação e ao desenvolvimento de derivados de leite, há mais de 20 anos, Heloisa testou os mais variados fermentos, mofos e receitas, até chegar aos 12 queijos finos que hoje compõe o portfólio do Capril do Bosque.

Compartilhe esse post

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *