Personalidade: Eduardo José de Melo

Um queijo que carrega mais de 300 anos de tradição e muitas histórias, vem do interior de Minas, na região da cidade histórica do Serro. Alguns municípios fazem parte da região, que tem como forte a fabricação do Queijo Minas Artesanal do Serro, são eles, Conceição do Mato  Dentro, Dom Joaquim, Santo Antônio do Itambé, Alvorada de Minas, Materlândia, Paulistas, Rio Vermelho, Sabinópolis, Serra Azul de Minas e o próprio Serro.

O queijo produzido na região, através do leite cru de vaca, carrega muito conhecimento de outras gerações, e em maio de 2008,o queijo produzido no Serro e nas regiões da Serra da Canastra e do Salitre, foram reconhecidos como Patrimônio Cultural do Brasil, título concedido pelo Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artistico de Minas Gerais – IPHAN.

É nessa região, tão importante do mercado queijeiro, que conversamos com Eduardo José de Melo, produtor, que compartilhou com a nossa equipe a experiência de ser produtor e outras curiosidades. Confira:

 

Há quanto tempo você trabalha com o mercado de queijos? Quando produziu o primeiro queijo?

Produção de Queijos na Fazenda Vitória.

 

Comecei a produzir Queijos há muitos anos atrás mas, com Queijaria regularizada e Registrada pelo IMA – Instituto Mineira de Agropecuária, há pouco mais de 5 anos. Sou descendente de família de produtores de Queijos. Até onde consegui investigar, estou na quinta geração de produtores de Queijos, sempre procurando manter a tradição do Queijo Artesanal.

 

Ao longo do tempo, muitas coisas mudaram na fabricação do queijo. Qual o impacto que gerou na sua produção? Foi positivo?

Segundo o meu pai que já tem 85 anos, a maneira de fazer queijos continua a mesma desde a época dele ainda muito jovem. O que mudou foi o avanço nos cuidados com a segurança alimentar, hoje com fiscalização pelos Órgãos do setor alimentício e suas normas. Houve grande evolução nos utensílios usados na fabricação e treinamentos para as pessoas envolvidas, mas o uso do Pingo, o uso das mãos para prensar o Queijo e todo o acabamento que é dado ao produto continua o mesmo, e é por esta razão que o Queijo Minas Artesanal do Serro tem o registro nos Patrimônios  Estadual e Nacional.

 

O queijo Minas Artesanal vem carregado de histórias e é Patrimônio Imaterial de Minas Gerais, desde o inicio da produção até chegar à mesa do consumidor final, leva sua história. Quais são as principais características do queijo produzido você?

O meu Queijo tem uma particularidade muito especial que descobri ao longo do tempo que é a CREMOSIDADE. Deus me abençoou com um Terroir propício para produzir um queijo com uma cremosidade muito acentuada que o torna diferente dos demais.

 

Você recebeu um prêmio durante a Premiação Queijo Brasil. Como foi a experiência?

Os Premio Brasil de Queijos I e II vieram para dar oportunidade aos produtores de queijos de mostrarem seus produtos para o Brasil. No primeiro foram 234 produtores mostrando seus queijos, no segundo foram mais de 300 produtores participando; nunca havia visto tanto queijo em minha vida.

 

Como você avalia o mercado de queijos atualmente?

Vejo o mercado de Queijos muito aberto e com uma legislação muito indefinida. Sou a favor da rastreabilidade do Queijo pois, estamos falando de produto alimentício que vai para a mesa dos brasileiros. O Queijo Artesanal precisa de normas específicas. Hoje estamos lidando com normas aplicadas a grandes indústrias.

Precisamos conscientizar o Consumidor da necessidade de se verificar a origem do produto que ele vai levar para sua mesa, verificando em primeiro lugar a chancela do Órgão Fiscalizador, nome e endereço do Produtor, etc. Existem muitos picaretas comercializando queijos sem o mínimo cuidado com qualidade do produto, sem higiene e fazendo uma concorrência desleal com aqueles que investiram para ter um produto com qualidade e segurança alimentar.

O Queijo Minas Artesanal está passando por um momento único; produtores e produtos estão nas mais diferentes mídias. Projetos de valorização do Queijo Artesanal, edição de Livros, Revistas de Gastronomia, Programas de TV, enfim o brasileiro está buscando o Queijo Artesanal.

Hoje temos grandes grupos do setor alimentício interessado em ter um setor exclusivo para o Queijo Artesanal; cito como exemplo o Verdemar Supermercados em BH e o grupo St. Marche em São Paulo, além de outros.

Queijo Minas Artesanal do Serro produzido na Fazenda Vitória.

Depois de quatro anos maturando Queijos, posso afirmar que temos ótimos queijos no Brasil e que não é preciso ir à Europa para comer bons queijos!

 

Como você avalia a importância da maturação durante o processo de fabricação do queijo?

A Maturação além de ser necessária para estabelecer a inocuidade do Queijo, ela é o tempo necessário para que o Queijo adquira aquele sabor que o clima, a temperatura e demais condições do local – TERROIR – oferecem para chegar à cremosidade e ao sabor característico e inigualável.

 

Qual o tempo médio de maturação do queijo produzido na região?

O Queijo com Maturação entre 20 e 30 dias é o mais procurado pelos consumidores. Os Queijos mais picantes, com 60, 90, 120 dias ou mais são menos vendidos, mas são procurados por  apreciadores mais conhecedores e requintados.

 

Onde comprar?

Fazenda Vitória
Queijaria Vitória  – Rodovia MG 010, Km 244,3 – Serro – MG
Contato: (37)99153-0041

E aí? Conhece alguma pessoa importante nesse setor? Conte pra gente! Envie um e-mail para redacao@portaldoqueijo.com.br e fique ligado nas novidades do Portal!

Fotógrafo: João Marcos Cardoso

Compartilhe esse post

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *