6 queijos bem caros e que valem a pena experimentar

Mineirinho Consumidor 1 Comment

A época mais fria do ano está batendo na porta e ela combina com o quê, minha gente? Queijos diferentões e vinho para esquentar noites e corações. Pensando nisso, resolvi falar sobre os sabores mais caros. Confira!

  • E falando em preço e frio, os dois queijos mais caros do mundo vem exatamente dos países mais gelados. O quilo do queijo sueco de alce chega a ser vendido por uma média de U$$1000, cerca de R$ 3243,70.
  • Tem também um roquefort sueco tão artesanal que nem é comercializado, mas que, se o fosse, sairia por pelo menos cerca de € 500, isto é, R$ 1822,45. Ele está entre os alimentos mais caros do mundo.
  • Outro amarelinho na cor e no valor é o queijo pule, feito artesanalmente com 10 litros de leite fresco de burra (ou jumenta ou asna – pasme!) para cada quilo de massa, na Reserva Natural de Zasavica, na Sérvia. A questão é que uma burra produz apenas 1, 3 litros de leite por dia, bem menos que a vaca, que faz entre 15 e 22 litros neste mesmo intervalo de tempo. Reza a lenda que a rainha egípcia Cleópatra tomava banhos de leite de burra todos os dias, bem rica e plena. O quilo desta delicinha sai pela bagatela de € 1000 (R$ 3644,90).
  • Nos supermercados daqui, do Brasil, um queijo caro, mas que vale o cash é o português Serra Valmadeiros, que pode custar cerca de R$ 400, o quilo. Ele é a base de leite de ovelha, tem um sabor amanteigado e é curado.
  • Seguindo a linha das ovelhinhas, aqui, também encontramos o roquefort, feito com leite ovino francês, com quilo variando em torno de R$ 100.
  • Desta pequena lista de luxo, o queijo artesanal espanhol Manchego (denominação de origem protegida da região de La Mancha) também pode ser encontrado no Brasil e em BH, por aproximadamente R$179,90, o quilo. Ele já foi eleito o melhor do mundo no World Cheese Awards, um concurso internacional do ramo que é realizado no Reino Unido. Possui uma coloração homogênea variável entre o amarelo pálido e o mais forte. A textura é ligeiramente elástica com nuances amanteigadas. É bem saboroso, ácido e tem um gosto mais acentuado. Por ser feito de leite de ovelhas, é de fácil digestão, sendo bem indicado para compor tábuas de frios e queijos, para saladas ou como acompanhamento de compotas e frutos secos.

 

Saúde para seu bolso e buon appetito!

Compartilhe esse post

Comments 1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *